• Publicado Dezembro 03rd, 2016
  •   by: lychnoflora

0 comentários on "A importância de técnicas hifenadas para caracterização dos extratos de interesse à indústria."

Here`s your chance to leave a comment!

Extratos obtidos a partir de espécies vegetais são misturas complexas de variadas classes de metabólitos secundários, como alcaloides, flavonoides, cumarinas, terpenos, ácidos graxos, entre outras. Uma das etapas mais importantes no desenvolvimento de produtos baseados em matérias-primas vegetais é a caracterização química destes extratos. Uma vez obtidos os dados químicos sobre o extrato, são selecionadas as substâncias ou classe de substâncias que podem ser utilizadas como marcadores químicos ativos ou analíticos. A escolha destes marcadores químicos é fundamental no desenvolvimento de um medicamento fitoterápico, por exemplo.

Embora as monografias oficiais de várias espécies apresentem seus marcadores químicos e respectivos métodos analíticos para identificação e quantificação, verifica-se comumente a variação do conteúdo de metabólitos secundários das plantas, o que pode resultar em diferenças de perfil químico de uma espécie em relação aos dados que constam na literatura científica. As variações no acúmulo de metabólitos secundários decorrem da influência de fatores sazonais e ambientais no metabolismo da planta, bem como dos métodos de extração empregados e condições de armazenamento tanto do material vegetal, como do extrato.

Assim, extratos de uma mesma espécie podem apresentar variações qualitativas e/ou quantitativas de seus constituintes, o que resulta em divergências entre o perfil químico obtido  com os dados previamente publicados. Em muitas casos, as concetrações dos marcadores de um extrato são inferiores às preconizadas em monografias ou verifica-se até mesmo ausência do marcador químico no extrato analisado. Há ainda espécies que possuem poucos dados sobre sua composição química na literatura e necessitam de estudos fitoquímicos.

Diante dessas observações, os estudos por técnicas hifenadas são fundamentais para a caracterização de extratos vegetais. Nestes estudos, são empregados métodos cromatográficos que separam os constituintes da amostra de modo concomitante à aquisição de dados de espectrometria de massas para identificação de cada uma dessa substâncias. Entre as técnicas hifenadas mais utilizadas destacam-se LC-DAD-MS/MS e CG-MS. A escolha das técnicas cromatográficas e métodos de ionização baseiam-se em característica físico-químicas do extrato e dados químicos da espécie previamente relatados.

Durante o processo de desenvolvimento de produtos que tem como base extratos vegetais, as indústrias podem buscar parcerias para avaliação dos perfis químicos de extratos. Para estes estudos, além da alta tecnologia envolvida nas técnicas, é necessário a interpretação das reações de fragmentação para identificação dos metabólitos presentes na amostra, principalmente quando se utiliza espectrometria de massas com ionização por eletrospray.  

Nos casos em que somente os dados de espectrometria de massas não são suficientes para a identificação inequívoca de um constituinte, há a possibilidade de isolamento dessa substância e aquisição de dados de RMN, os quais podem ser associados aos dados de espectrometria de massas e oferecer resultados mais conclusivos sobre a identidade do constituinte. As substâncias isoladas a partir do extrato podem ser utilizadas como marcadores químicos de extratos e produtos acabados.

Saiba mais sobre as soluções que a Lychnoflora oferece na área de Produtos Naturais. 

Comentários